Lari skuld.mais sobre mim

Lari skuld. ver perfil

Lari skuld. seguir perfil

Lari skuld.Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
16
17

18
20
21
22
24

25
26
27
29
30
31


Lari skuld.posts recentes

Lari skuld. O amor.

Lari skuld. Mudanças??

Lari skuld. ...

Lari skuld. ...

Lari skuld. SHow do motöhead em BH *-...

Lari skuld. ...

Lari skuld. Viver

Lari skuld. Natal...

Lari skuld. O amor...

Lari skuld. é preciso??

Lari skuld.arquivos

Lari skuld. Janeiro 2009

Lari skuld. Dezembro 2008

Lari skuld. Novembro 2008

Lari skuld. Outubro 2008

Lari skuld. Setembro 2008

Lari skuld. Agosto 2008

Lari skuld. Julho 2008

Lari skuld. Junho 2008

Lari skuld.tags

Lari skuld. todas as tags

Lari skuld.pesquisar
 
blogs SAPO
Lari skuld.subscrever feeds
Domingo, 1 de Junho de 2008
Saudade...

acho que nunca tinha visitado o blog do meu irmão...(irmã desnaturada neh) rsrs...
mais me surpreendi muito...
vi um texto sobre saudade, que particularmente é um tema que me toca muito... e acho que eu deveria colocar aqui porque realmente ficou lindo..como todos os poemas e tudo que ele escreve...

 







A Saudade

 

Que palavrinha hermética, soturna, desgarrada. Me tente traduzi-la! Me tente agarrá-la! Tente tê-la mesmo que por um instante. Ela se desvencilha do pensamento e se reifica nos poemas de rimas pobres, na pobreza das músicas sóbrias, na intenção do intelectual bêbado. E lá está ela, andando por entre os papéis, solitária na existência das línguas, e sombria onipresente que na luz do dia, entre as casas velhas, as igrejas velhas, ela lhe aborda, sem respeito, com autoridade de quem detêm a unicidade de significado, que cada amante dá um jeito, dá uma forma, e a menina chora, coitada, sem ter o que se agarrar, sem ter o que maltratar, na beleza dos pesadelos noturnos, em que é cheio de amores, é cheio de cavalos cavalgando para todos os lados, um pesadelo cheio de sonhos, e acorda então sem nada e não sabe se estava acordada ou simplesmente adormeceu em sua fazenda que tem cheiro de mato e acordou entorpecida em sonhos na cidade abstrata onde é surrealista as manhãs cheias de nuvens de caminhões, de cantos de carros, de vias labirintas na fauna cheia de homens, na flora cheia de cimento, e se sente o nada, se senta na escada, com esta palavra na garganta, querendo gritá-la, e não sabe se grita porque tudo aquilo não pode ser verdade, não pode ser realidade, e procura em cada beco o seu amor que correu exilado em suas obrigações, que em sua última memória partiu em uma nave; ou era em uma carruagem?; ou era em uma caminhonete, ou quem sabe um cavalo?; não se sabe, mais ele se foi e deixou a ela apenas uma frase: "Irei morrer desta palavra!" Tão exato e preciso era este homem. Desde que deixara ele começou a morrer pela expressão que lhe encantava, passava os dias caminhando de um lado ao outro, não mais simplesmente vivia, também sentia algo, e era consciente do sentimento, e também se encantava, e todo o tempo a que da expressão não saciava, simplesmente morria, nada que seja extremamente fúnebre ou gótico, ele simplesmente morria, como sempre fez desde que nasceu. Morria porque o tempo passava. Mas qual era a referência do tempo, qual era sua medida? Não era mais os sóis que se punham, a que alguns chamavam de dia, não era mais à alguma referência no espaço, ou talvez a linearidade da vida, ou a ciclidade da natureza... tudo se media no instante do imaginário reencontro com a menina que tivera deixado na cidade... ou era no campo? Não importa mais o lugar, porque ao pensamento não é necessário chão, muito menos árvores ou prédios - quem diria civilização! Então ele morre pela expressão que disse a ela que morreria, não em sua mentalidade suicida, mas na compreensão que o mundo é pequeno demais para a eternidade do colosso que os poetas apelidaram de amor. E não realmente se parece pequeno quando se observa dois amantes? Quando em sua visão se encontram dois amores, a vida se torna pequena e a morte se parece grande demais... o mundo é mínimo. Não cabe um par de amantes, uma família, um Estado e alguns gatos.

Yuri Aedo


sinto-me: orgulhosa

publicado por lari skuld às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito